Transgênero vence mundial de ciclismo feminino e diz que queixas vêm de “perdedoras”
  • Alpha

Transgênero vence mundial de ciclismo feminino e diz que queixas vêm de “perdedoras”

A ciclista canadense Rachel McKinnon (no centro) comemora sua medalha de ouro no pódio com a terceira colocada, Kirsten Herup Sovang, (à direita), da Dinamarca, e a segunda colocada, Dawn Orwick (à esquerda), dos EUA, pela categoria Sprint de 35 a 39 anos do Campeonato do Mundo da UCI Masters Track Cycling, em Manchester, em 19 de outubro de 2019.;

A ciclista transgênero Rachel McKinnon defendeu seu direito de competir no esporte feminino, apesar de aceitar que atletas trans podem ter uma vantagem física sobre suas rivais.A ciclista canadense Rachel McKinnon (no centro) comemora sua medalha de ouro no pódio com a terceira colocada, Kirsten Herup Sovang, (à direita), da Dinamarca, e a segunda colocada, Dawn Orwick (à esquerda), dos EUA, pela categoria Sprint de 35 a 39 anos do Campeonato do Mundo da UCI Masters Track Cycling, em Manchester, em 19 de outubro de 2019.

– A ciclista transgênero Rachel McKinnon defendeu seu direito de competir no esporte feminino, apesar de aceitar que atletas trans podem ter uma vantagem física sobre suas rivais.

A ciclista Rachel McKinnon, um homem biológico que se apresenta como mulher, venceu o campeonato mundial feminino no sábado e estabeleceu um recorde mundial feminino no evento classificatório. McKinnon, professor de filosofia canadense no College of Charleston, venceu o mesmo evento em 2018. Em uma entrevista na sexta-feira (18) ao Sky News, McKinnon disse que as tentativas de nivelar o campo de atuação do esporte feminino discriminando atletas transgêneros equivalem a "negar seus direitos humanos". "Todos os meus registros médicos dizem que sou mulher", disse McKinnon. “Meu médico me trata como uma mulher, minha licença de corrida diz que sou uma mulher, mas as pessoas que se opõem à minha existência ainda querem pensar em mim como homem... Então, se queremos dizer que acredito que você é uma mulher para toda a sociedade, exceto por essa parte central que é o esporte, isso não é justo. ” Victoria Hood, ex-campeã de ciclismo e gerente de uma equipe britânica de ciclismo feminina, desafiou McKinnon, dizendo à Sky que “não é complicado, a ciência está lá e diz que é injusto. O corpo masculino, que passou pela puberdade masculina, ainda mantém sua vantagem, que não desaparece. Eu tenho simpatia por eles. Eles têm o direito de praticar esportes, mas não o direito de entrar em qualquer categoria que desejarem.” No sábado, McKinnon divulgou um comunicado à imprensa denunciando Hood por ter "um medo irracional de mulheres trans". Após a vitória, McKinnon foi ao Twitter para desafiar os críticos. No domingo, McKinnon twittou: “Ainda não encontrei uma verdadeira campeã que tenha problema com mulheres trans. Campeões de verdade querem uma concorrência mais forte. Se você vencer porque o fanatismo proibiu sua concorrência... você é uma perdedora. " Ajude a manter nosso trabalho, contribua pelo Apoia-se: https://apoia.se/alphaportal

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 por Alpha - Portal de Mídia e Notícias

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now